CEARÁ

Ceará tem mais de 9 mil CNHs suspensas em três anos

Dados do Departamento Estadual de Trânsito (Detran) revelam também que entre 2016 e 2018, um total de 2.517 motoristas precisaram fazer curso de reciclagem.

O Ceará viu oscilar nos últimos três anos a quantidade de condutores com a Carteira Nacional de Habilitação (CNH) suspensa. Em 2016, cerca de 1.894 motoristas e motociclistas tiveram o impedimento temporário, enquanto em 2017, o número saltou para 4.270. O acumulado representa um aumento de 67% no biênio. Já em 2018, o montante caiu para 3.172, isto é, uma média de 264 suspensões por mês.

Conforme explica o gerente do Núcleo de Prontuário de Habilitação do Departamento Estadual de Trânsito (Detran), Rodolfo Ribeiro, o tempo de interrupção depende da infração cometida, variando de 6 a 12 meses. Ele também aponta que conduzir sob efeito de álcool ou psicoativos, recusa ao teste do bafômetro e pilotar motocicleta sem capacete, são os principais motivos que levam a suspensão do documento, além do acúmulo de infrações durante um ano.

“O número de processos de suspensão por esse motivo tem aumentado muito. O uso constante de celular e trafegar em alta velocidade são dois dos fatores mais importantes para que pessoas acumulem esses pontos. O aumento da fiscalização pelos órgãos, mais agentes nas ruas e mais câmeras de monitoramento contribuem para isso”, analisa.

Reciclagem

Na contramão das suspensões de CNHs, o total de motoristas que precisaram passar por reciclagem apenas cresceu no último triênio. Os valores passaram de 780 em 2016, para 831 em 2017, chegando a 906 no ano passado. Ainda de acordo com Rodolfo Ribeiro, as aulas de reciclagem são liberadas após o condutor entregar a CNH ao Detran.

“Em alguns casos, o condutor é obrigado por ordem judicial, por múltiplos motivos. De todo modo, o curso é obrigatório para recuperar o documento”, pondera o gerente. O processo de revisão da legislação de trânsito tem duração de 30 horas e é feito em autoescolas, que cobram de R$ 200 a R$ 300.

Limite

Atualmente, o Código de Trânsito Brasileiro (CTB) prevê que o motorista tem um limite de 20 pontos na carteira de habilitação antes da suspensão. Contudo, um projeto de lei apresentado pelo presidente Jair Bolsonaro à Câmara dos Deputados, no dia 4 de maio último, pretende ampliar esse teto para 40 pontos.

Para o professor do Departamento de Engenharia de Transportes da Universidade Federal do Ceará (UFC), Flávio Cunto, a medida ameaça a segurança viária, uma vez que pode contribuir para a elevação das infrações. “O reflexo imediato vai ser a redução do número de suspensões e o aumento do número de infrações amparadas pelo aumento da pontuação”, analisa o especialista.

Fonte: G1 CE

Artigos relacionados

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.
Fechar

Adblock Detectado

Considere nos apoiar desabilitando o bloqueador de anúncios