Conecte-se conosco

Esportes

Covid: Hamilton e Bottas estão isolados após positivo na Mercedes

Chefe da equipe comparou pilotos a eremitas

Publicado

em

Foto: Yuri Kochetkov/Reuters/Direitos Reservados
header ads

Lewis Hamilton e Valtteri Bottas precisam viver “como eremitas” para reduzir o risco de infecção pelo novo coronavírus (covid-19) nos postulantes ao título da Fórmula 1, disse o chefe da Mercedes, Toto Wolff, nesta sexta-feira (9), depois que a equipe divulgou um segundo teste com resultado positivo.

Um porta-voz da Mercedes disse que toda a equipe foi testada novamente após o primeiro teste positivo, na quinta-feira, antes do Grande Prêmio de Eifel, no circuito de Nuerburgring (Alemanha). Um deles também deu positivo e outro inconclusivo, acrescentou.

Quatro outros membros da equipe, todos com teste negativo, foram então isolados, segundo protocolos adotados pela categoria automobilística, enquanto seis substitutos foram trazidos da Inglaterra.

“Cada perda de um integrante importante afeta a corrida, mas acho que estamos sob controle”, disse Wolff aos repórteres.

O austríaco afirmou que todas as precauções estão sendo tomadas para proteger tanto o hexacampeão mundial Lewis Hamilton como Bottas, que está 44 pontos atrás do britânico após 10 corridas na temporada.

“Os pilotos são os mais restritos de todo o grupo, de toda a equipe”, disse Wolff.

“Certamente não é uma boa situação para eles, porque você quase precisa viver como um eremita, e é isso que estão fazendo. Eles estão em casa, não estão saindo para jantar, não estão encontrando outras pessoas”, declarou.

“Com a equipe, eles não ficam com os engenheiros na sala. Eles estão em seus próprios quartos e estamos evitando ao máximo qualquer contato pessoal com eles. É literalmente entrar no carro, dirigir e manter distância”, acrescentou.

Sergio Perez, da Racing Point, perdeu duas corridas em agosto depois de contrair o vírus. O mexicano ainda é o único piloto que deu positivo na categoria automobilística.

Fonte: Agência Brasil
Publicado em 09/10/2020 – 17:37 Por Alan Baldwin – Londres

--Publicidade--
Clique para comentar

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.

Esportes

EUA e Reino Unido denunciam Rússia por ciberataques contra Olimpíada

As acusações envolvem quatro anos de atividades, entre 2015 e 2019

Publicado

em

Foto: Kim Kyung-Hoon/Reuters/Direitos Reservados
header ads

O Reino Unido e os Estados Unidos condenaram nesta segunda-feira (19) o que chamaram de ciberataques que teriam sido orquestrados por agentes de serviços de espionagem russos, incluindo tentativas de atingir os Jogos Olímpicos de Tóquio.

Autoridades britânicas e norte-americanas afirmaram que os ataques foram conduzidos pela Unidade 74455 da agência de espionagem militar russa GRU, também conhecida como Centro Principal de Tecnologias Especiais. O Departamento de Justiça dos EUA afirmou que seis membros da unidade tiveram papéis importantes nos ataques contra alvos que variaram desde a Organização para a Proibição de Armas Químicas às eleições de 2017 na França. As acusações envolvem quatro anos de atividades entre 2015 e 2019.

As autoridades dos EUA não comentaram se o momento da revelação, há poucas semanas da eleição nos Estados Unidos, foi escolhido para alertar sobre a atividade de grupos de hackers apoiados por governos estrangeiros. Já autoridades britânicas afirmaram que os hackers do GRU também conduziram operações de “ciber reconhecimento” contra os organizadores dos Jogos Olímpicos de Tóquio, que seriam realizados neste ano, mas acabaram sendo adiado para 2021 por causa da pandemia do novo coronavírus (covid-19).

As autoridades britânicas se recusaram a dar mais detalhes sobre os ataques ou a afirmar se foram bem sucedidos, mas disseram que tinham como alvo os organizadores das Olimpíadas, fornecedores e patrocinadores. O secretário do Exterior do Reino Unido, Dominic Raab, afirmou que as “ações do GRU contra as Olimpíadas são cínicas e imprudentes. Condenamos elas nos termos mais fortes possíveis”.

O vice-diretor da polícia federal dos EUA (FBI) David Bowdich afirmou: “O FBI repetidamente tem alertado que a Rússia é um adversário altamente capaz em ciberataques e a informação revelada neste indiciamento ilustra como as atividades cibernéticas da Rússia são invasivas e destrutivas”.

Em dezembro de 2019, a Rússia foi banida dos Jogos Olímpicos por quatro anos por causa de acusações de doping de seus atletas.

As autoridades britânicas e norte-americanas afirmaram nesta segunda-feira (19) que os hackers russos se envolveram em outros ataques, como o que comprometeu sistemas de computadores dos Jogos de Inverno em 2018, durante a cerimônia de abertura na Coreia do Sul. Este ataque comprometeu centenas de computadores, derrubou acesso à internet e interrompeu as transmissões de mídia.

Fonte: Agência Brasil
Publicado em 19/10/2020 – 18:32 Por Jack Stubbs e Christopher Bing – Londres/Washinton

Continue lendo

Esportes

Bélgica, Alemanha e Holanda querem sediar Mundial Feminino de 2027

Países já manifestaram intenção à Fifa de realizar edição em conjunto

Publicado

em

Foto: Reuters/Ruben Sprich/Direitos Reservados
header ads

Bélgica, Alemanha e Holanda revelaram nesta segunda-feira (19) um plano para sediarem em conjunto a Copa do Mundo de Futebol Feminino de 2027. Um comunicado emitido pelas associações de futebol dos três países informou que eles já manifestaram sua intenção a Fifa de concorrer, e que prepararão um acordo formal até o final do ano.

“O futebol feminino é conhecido tradicionalmente por seu sentimento forte de comunidade, no qual todas as envolvidas pensam no quadro geral, que é, a saber, desenvolver mais o esporte, tanto dentro quanto fora de campo”, disse o comunicado. “O fato de que estejamos tratando deste projeto juntos, como três competidores de futebol, e também como bons vizinhos, combina muito bem com esta filosofia.”

“O futebol feminino em nossos países está, de fato, em fases diferentes de desenvolvimento, mas compartilhamos a aspiração de dar um impulso ao esporte nacional e globalmente organizando esta Copa do Mundo”, afirmaram.

A última Copa do Mundo de Futebol Feminino foi sediada pela França em 2019, e o torneio de 2023 foi concedido à Austrália e à Nova Zelândia em junho.

A Alemanha já sediou a competição em 2011, e as holandesas foram anfitriãs e campeãs do último Campeonato Europeu de Futebol Feminino em 2017.

Será a primeira vez que a Bélgica sedia um grande torneio de futebol feminino.

Fonte: Agência Brasil
Publicado em 19/10/2020 – 12:03 Por Reuters Staff – Amsterdã

Continue lendo

Esportes

Primeiro GP de F1 no Vietnã é cancelado devido à pandemia de covid-19

Foram 13 provas descartadas na temporada 2020

Publicado

em

Foto: REUTERS/Kham/Direitos Reservados
header ads

A Fórmula 1 anunciou nesta sexta-feira (16) o cancelamento do Grande Prêmio do Vietnã, o primeiro que ocorreria no país. A corrida seria em abril, mas foi suspensa em março, devido à pandemia do novo coronavírus (covid-19). A etapa asiática não havia sido remarcada desde a reformulação do calendário da temporada 2020, que teve a versão definitiva publicada em agosto.

A prova no circuito urbano na capital Hanói foi a 13ª cancelada pela categoria em 2020. Também ficaram fora do calendário os GPS de Austrália, Azerbaijão, Brasil, Canadá, China, Estados Unidos, França, Holanda, Japão, México, Mônaco e Singapura.

“Foi uma decisão difícil, mas extremamente necessária, em razão da contínua incerteza causada pela pandemia global de coronavírus”, disse a nota oficial divulgada pela organização. “Não poderemos receber a mais emocionante e prestigiada competição automobilística do planeta. Foi a única solução possível, após revermos, cuidadosamente, todos os critérios de segurança, assim como a eficiência deles diante das atuais condições. Agradecemos pelo apoio e compreensão”, declarou o chefe-executivo do GP vietnamita, Le Ngoc Chi.

Segundo o Ministério da Saúde do Vietnã, o país registrou mais de 1,1 mil casos confirmados de covid-19 e 35 óbitos causados pela doença desde o início da pandemia.

Mundial adaptado

Adaptada às restrições da pandemia da covid-19, a edição 2020 do Mundial de Fórmula 1 tem 17 corridas programadas, em 12 países. A Itália receberá três provas ao todo, em três cidades diferentes. Além disso, dois dos 14 circuitos selecionados (Red Bull Ring, em Spielberg, na Áustria, e Silverstone, na Inglaterra) já abrigaram duas etapas.

A sete GPs do fim do campeonato, o inglês Lewis Hamilton, da Mercedes, lidera com 230 pontos, contra 161 do companheiro de equipe e finlandês Valtteri Bottas. A próxima corrida será no próximo dia 25, em Portugal, no Autódromo Internacional do Algarve, na cidade de Portimão.

Fonte: Agência Brasil
Publicado em 16/10/2020 – 12:01 Por Lincoln Chaves – Repórter da TV Brasil e Rádio Nacional – São Paulo
Edição: Cláudia Soares Rodrigues

Continue lendo

Destaques