Conecte-se conosco

Entretenimento

Diana Rigg, atriz de ‘Game of Thrones’, morre aos 82 anos

De acordo com sua filha, Rachael Stirling, Digg morreu após lutar contra um câncer diagnosticado em março. Atriz venceu prêmios Emmy e Tony.

Publicado

em

Imagem divulgada pela HBO mostra Diana Rigg como Olenna Tyrell em cena de 'Game of Thrones' — Foto: Reprodução/HBO via AP
header ads

A atriz Diana Rigg, vencedora de prêmios Emmy e Tony, morreu aos 82 anos nesta quinta (10) em sua casa na Inglaterra.

De acordo com a filha, Rachael Stirling, Digg lutava contra um câncer diagnosticado em março. “Minha querida mãe morreu em paz enquanto dormia nesta manhã, em casa, cercada por sua família”, disse em nota.

“Ela passou seus últimos meses refletindo com alegria sobre sua vida extraordinária, cheia de amor, risos e um profundo orgulho de sua profissão. Eu vou sentir falta dela além das palavras.”

Diana Rigg, em foto de abril de 2019 — Foto: Joel Saget/AFP/Arquivo

A atriz nasceu em 20 de julho de 1938 em Yorkshire, na Inglaterra. Começou a carreira nos palcos em 1957 com a peça “O círculo de giz caucasiano”, de Bertolt Brecht. Em 1994, recebeu o título de Dama por sua contribuição ao teatro e às artes.

Com mais de 60 anos de carreira, a atriz acumula mais de 70 papéis em séries e filmes. Participou de grandes sucessos da TV, recentes e antigos: foi a Lady Olenna Tyrell na série britânica de sucesso “Game of Thrones” e a agente Emma Peel na série “Os Vingadores” (1965-1968).

Seus dois últimos trabalhos estão em pós-produção e devem estrear em 2021: o filme “Last night in Soho” e a minissérie “Black Narcissus”.

Em 1997, venceu o Emmy na categoria de melhor atriz coadjuvante pelo papel de Mrs. Danvers na minissérie “Rebecca”.

Ao lado da filha e também atriz, participou de um episódio de “Doctor Who” em 2013, chamado “The Crimson Horror”.

Cinema e teatro

A atriz também se destacou no cinema, entre os papéis mais populares está o de Tracy, a sra. James Bond, no filme “007 – A Serviço Secreto de Sua Majestade” (1969).

Por sua atuação no longa “The hospital”, de 1971, recebeu uma indicação a melhor atriz no Globo de Ouro do ano seguinte.

Rigg também estrelou peças na Broadway: “Abelard and Heloise” (1971); “The Misanthrope” (1975) e “Medea” (1994), pela qual venceu o Tony de melhor atriz.

No teatro, protagonizou “Macbeth” ao lado de Anthony Hopkins no National Theatre, em Londres, em 1972.

Fonte: G1 10/09/2020 11h27

--Publicidade--
Clique para comentar

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.

Entretenimento

Amazon Prime Video prepara série derivada de ‘The Boys’

A série será sobre uma faculdade para super-heróis no mesmo universo dos heróis de sucesso do streaming

Publicado

em

Cena da segunda temporada da série 'The Boys' da Amazon Prime Vídeo - (Foto/crédito: Jasper Savage/Amazon Studios)
header ads

Embalada pelo sucesso da segunda temporada de The Boys, a Amazon Prime Video está trabalhando em uma nova história no mesmo universo dos super heróis. A série spin-off ainda não tem nome, mas se passará em uma universidade exclusiva para poderosos.

O produtor de The Boys, Craig Rosenberg, assina o roteiro do primeiro episódio e assume o papel de criador da série. Eric Kopke, showrunner da original, entra como produtor executivo assim como outros nomes envolvidos no seriado baseado no quadrinho que entrou na lista de best-sellers do New York Times.

O seriado conta a história de personagens superpoderosos que estudam em uma faculdade da Vought exclusiva para eles. A trama vai tratar de problemas mais jovens e escolares, com a competitividade e os hormônios envolvidos. Contudo, o tom continua similar ao da série original, com a violência e a irreverência apresentadas em duas temporadas na Amazon Prime Video.

The Boys chega a segunda temporada e vem lançando um episódio por semana, às sextas-feiras, desde 4 de setembro. O final vai ao ar no serviço de streaming no dia 9 de outubro. A série já tem confirmada a terceira temporada, prevista para 2021.

Fonte: Correio Braziliense
postado em 25/09/2020 11:30 / atualizado em 25/09/2020 11:41

Continue lendo

Entretenimento

Brasil é indicado a sete categorias do Emmy Internacional 2020

Andrea Beltrão e Raphael Logam foram lembrados pelos papéis em ‘Hebe’ e ‘Impuros’, respectivamente

Publicado

em

(Foto/crédito: Fabio Rocha/TV Globo e Sérgio Baia/Divulgação)
header ads

O Emmy Internacional, que considera as atrações televisivas de fora do Estados Unidos, revelou, nesta quinta-feira (24/9), os indicados da edição de 2020. O Brasil apareceu em sete categorias do prêmio. No ano passado, o país havia sido lembrado em oito. Os vencedores serão divulgados em 23 de novembro.

Os atores Raphael Logam, de Impuros (Fox), e Andrea Beltrão, de Hebe (Globoplay/Globo) foram nomeados as categorias de melhor ator e melhor atriz, respectivamente. Logam já havia disputado no ano passado. Ele dá vida a Evandra, um personagem que se envolve no crime após a morte o irmão. Já Andrea foi lembrada pela interpretação da falecida apresentadora Hebe Camargo.

Como já costuma acontecer, o país também foi representado na categoria novela. A trama escolhida foi Órfãos da Terra (Globo), de Duca Rachid e Thelma Guedes, que retratava a história de refugiados sírios.

No universo das séries, Ninguém tá olhando (Netflix) apareceu na categoria de comédia. A produção de humor, que foi cancelada pelo serviço logo após a primeira temporada, acompanha uma espécie de anjo que descumpre regras e começar a se relacionar com uma humana. A série é protagonizada por Victor Lamoglia e Kéfera Buchmann.

O país está representando em melhor filme para tevê e minissérie com Elis — Viver é melhor que sonhar (Globo) de George Moura, Hugo Prata, Vera Egito e Luiz Bolognesi, cinebiografia da artista protagonizada por Andreia Horta.

Além disso, foi lembrado por Refavela 40 (HBO), documentário sobre o disco homônimo de Gilberto Gil, está na categoria Melhor programa de arte e por Canta comigo (Record), reality show apresentado por Gugu Liberato, foi indicado a entretenimento não roteirizado.

Confira as categorias em que o Brasil disputa o Emmy Internacional 2020

Melhor Programa de Arte
Jake and Charice – Japão
Refavela 40 – Brasil
Vertige de la chute (Ressaca) – França
Why do we dance? – Reino Unido

Melhor Ator
Billy Barratt em Responsible child – Reino Unido
Guido Caprino em 1994 – Itália
Raphael Logam em Impuros – Brasil
Arjun Mathur em Made in heaven – Índia

Melhor Atriz
Emma Bading em Play – Alemanha
Andrea Beltrão em Hebe – Brasil
Glenda Jackson em Elizabeth is missing – Reino Unido
Yeo Yann Yann em Invisible stories – Singapura

Novela
Chen Xi Yuan (Love and destiny) – China
Na corda bamba – Portugal
Órfãos da Terra – Brasil
Pequeña Victoria – Argentina

Comédia
Back to life – Reino Unido
Fifty – Israel
Four more shots please – Índia
Ninguém tá olhando – Brasil

Filme para TV / Minissérie
L’Effondrement (The collapse) – França
Elis – Viver é melhor que sonhar – Brasil
The Festival of the Little Gods – Japão
Responsible child – Reino Unido

Entretenimento não roteirizado
Canta comigo – Brasil
Folkeopplysningen – Noruega (The Public Enlightenment)
MasterChef Tailândia – Tailândia
Old People’s Home for 4 Year Olds – Austrália

Fonte: Correio Braziliense
postado em 24/09/2020 13:51 / atualizado em 24/09/2020 16:20

Continue lendo

Entretenimento

Larissa Manoela fará participação no show do ‘Criança Esperança’

O evento anual, que será na próxima segunda (28/9), será gravado sem plateia e com participações remotas de cantores

Publicado

em

(Foto/crédito: Reprodução/Giral Projetos/Divulgação)
header ads

A atriz Larissa Manoela realizará uma participação especial no show do Criança Esperança 2020, que ocorre na próxima segunda-feira (28/9). O evento anual será gravado sem plateia e com participações remotas de cantores, apresentadores e atores da Globo, incluindo Larissa, que aparecerá na campanha pela primeira vez.

Contratada para uma novela em 2020, Larissa participará de um vídeo produzido para homenagear os profissionais da área de saúde pela atuação durante a pandemia do novo coronavírus. A informação foi confirmada para o Estadão pela assessoria da emissora.

O show será apresentado por Fátima Bernardes, Luis Roberto, Tiago Leifert, Jessica Ellen, Luciano Huck e Maju Coutinho, e gravado nos Estúdios Globo sem plateia, devido à pandemia. Entre as participações especiais confirmadas também estão Pedro Bial, Serginho Groisman e Ana Maria Braga.

Em 2020, o Criança Esperança chega à 35ª edição, e passou por algumas mudanças devido ao cenário atual. Neste ano, o público não fará doações em dinheiro para a campanha, que são distribuídas para ONGs, e elas poderão ser feitas apenas por empresas. Já os telespectadores podem enviar vídeos pelo site da campanha que serão exibidos durante a programação da Rede Globo.

Fonte: Correio Braziliense
Agência Estado postado em 23/09/2020 08:51
Continue lendo

Destaques