Conecte-se conosco

Politica

Tribunal de Justiça forma maioria e afasta Berg Lima da prefeitura de Bayeux; Jefferson Kita assume.

Publicado

em

Foto: Blog do Mário Sorrentino
header ads

O prefeito de Bayeux, Berg Lima (PL), foi afastado do cargo pela segunda vez por decisão do Tribunal de Justiça da Paraíba. Ele é acusado da contratação de servidores fantasmas na administração pública. De acordo com o parecer do Ministério Público, o gestor vinha empregando na prefeitura pessoas próximas a ele que não prestavam o serviço. O dinheiro dos salários, de acordo com a denúncia, era dividido entre o prefeito e os auxiliares fantasmas.

O voto do relator, Joás de Brito Pereira, foi pela aceitação da denúncia e também pelo afastamento do prefeito do cargo. O voto dele foi seguido pela maioria dos magistrados, que viram riscos para a administração púbica em caso de permanência do gestor. O primeiro afastamento do gestor ocorreu em julho de 2017, quando ele foi flagrado em operação controlada recebendo dinheiro de um empresário, fruto de extorsão. Berg chegou a ser preso e só retornou ao cargo em dezembro de 2018, beneficiado por uma liminar.

Um ponto muito discutido durante a sessão foi se Berg Lima, além de afastado, deveria também ser alvo de prisão preventiva. O desembargador relator disse ter enxergado elementos suficientes para determinar a prisão, mas acabou optando apenas pelo recebimento da denúncia e afastamento do cargo. O entendimento foi seguido pela maioria dos colegas. O único voto contrário ao afastamento foi da desembargadora Maria da Graças Moraes Guedes.

O advogado de Berg Lima, Rafael Simões, usou, na sustentação oral, o argumento de que a denúncia protocolada pelo Ministério Público não era claro sobre a conduta delitiva do prefeito. Na visão dele, não houve comprovação do cometimento dos crimes. Os magistrados, no entanto, discordaram da posição. Nos votos, em sua maioria, eles ressaltaram o conjunto de denúncias que pesam contra o prefeito, lembrando, também, outros processos.

Com a decisão, o presidente da Câmara, Jefferson Kita (PSB), deve assumir o cargo interinamente e convocar eleições indiretas para o comando do município. Isso por que o vice-prefeito da cidade, Luiz Antônio (PSDB), foi cassado pela Câmara Municipal em 2018, após denúncias de corrupção. Ele chegou a comandar o município por alguns meses após o primeiro afastamento do prefeito Berg Lima.

Fonte: News Paraíba com Blog do Suetoni, do Jornal da Paraíba

--Publicidade--
Clique para comentar

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.

Politica

Maia sobre Weintraub: homem com essa qualidade não poderia ser ministro

Segundo o presidente da Câmara, ”é uma pena para o Brasil ter um ministro desqualificado” como o titular da Educação

Publicado

em

(foto: Najara Araujo/Câmara dos Deputados)
header ads

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), disse nesta sexta-feira (29/5), “é uma pena para o Brasil ter um ministro desqualificado” como o titular da Educação, Abraham Weintraub. Segundo Maia, um “homem com essa qualidade não poderia ser ministro de pasta nenhuma” após pedir, em reunião com o presidente Jair Bolsonaro, a prisão de autoridades, a começar pelos ministros do Supremo Tribunal Federal (STF).

“O homem que desrespeita a democracia não poderia estar em um governo que se diz democrático”, afirmou Maia em live organizada pela revista IstoÉ. As críticas de Maia contra Weintraub foram retomadas após o deputado afirmar que não falaria mais sobre o ministro, porque as declarações acabam fortalecendo o titular da Educação.

No entanto, o presidente da Câmara poupou o ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, e a ministra da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos, Damares Alves. Maia considerou a fala de Salles, na mesma reunião, sobre “passar o trator” para acelerar a aprovação de medidas durante a pandemia como “uma ideia de espertalhão”. Segundo o deputado, as declarações de Salles sobre o meio ambiente podem atrapalhar investimentos estrangeiros no Brasil.

Já sobre Damares, Maia afirmou que é “um direito dela” tentar levar adiante a proposta de processar e colocar na cadeia governadores, como a ministra afirmou na reunião de 22 de abril

‘Enfrentamento contra Supremo é muito ruim’

Maia também voltou a criticar na tarde desta sexta os sucessivos enfrentamentos do presidente Jair Bolsonaro ao Supremo Tribunal Federal (STF). Maia disse que o STF é uma “instituição vital para a sociedade” e que é necessário o respeito às decisões tomadas por integrantes da Corte.

“O ideal é que a gente respeite as decisões do Supremo. Mas a gente tem o direito de divergir”, ressaltou Maia, que defendeu que as divergências sejam tocadas dentro do devido processo democrático.

Questionado sobre os pedidos de impeachment contra o presidente Jair Bolsonaro que se acumulam na Câmara, Maia alertou que não é o momento para tocar um processo de tamanho impacto político. “Esse é um processo político que precisa ser avaliado com isenção. No momento adequado, vamos avaliar se há ou não o crime de responsabilidade. No momento, estamos tenteando achar o caminho que una os nossos cacos”, explicou o parlamentar

Fonte: Correio Braziliense
Agência Estado postado em 29/05/2020 17:42

Continue lendo

Politica

Fachin manda pedido para suspender inquérito das fake news ao plenário

Pedido havia sido feito pela PGR após operação da Polícia Federal que mirou aliados do presidente Jair Bolsonaro

Publicado

em

O ministro Edson Fachin, da Segunda Turma do STF (Supremo Tribunal Federal), participa de julgamento em Brasília (DF) - Foto: 11/06/2019 Adriano Machado/Reuters
header ads

O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Edson Fachin decidiu enviar ao plenário da Corte o pedido da Procuradoria-Geral da República (PGR) para suspender o inquérito que apura disseminação de fake news e agressões virtuais contra autoridades, incluindo ministros da Corte. O plenário do Supremo é composto por onze ministros e ainda não tem prazo para decidir o tema, que depende de o presidente do STF, ministro Dias Toffoli, a quem cabe elaborar a pauta de julgamentos.

“[A PGR] Requer, diante da necessidade de se conferir segurança jurídica e preservar as prerrogativas institucionais do Ministério Público, a concessão de medida cautelar incidental, determinando-se a suspensão do inquérito até o julgamento de mérito desta ADPF […] Reitero a indicação de preferência à Presidência, permitindo ao Plenário decidir o pedido cautelar, inclusive o ora deduzido. À Secretaria para as providências necessárias”, decidiu o ministro em um despacho.

O pedido de suspensão das apurações foi feito por Aras dentro de uma Arguição de Descumprimento de Preceito Fundamental (ADPF) movida pela Rede Sustentabilidade no STF. A posição do procurador-geral veio nesta quarta-feira, 27, depois da deflagração da operação da Polícia Federal que mirou aliados do presidente Jair Bolsonaro.

O chefe da Procuradoria afirmou em comunicado nesta quinta que a investigação em tramitação no Supremo sob relatoria do ministro Alexandre de Moraes vem “exorbitando limites” indicados pela PGR em manifestação ao próprio Fachin.

Instaurado pelo presidente do Supremo, Dias Toffoli, sem que a PGR, titular da ação penal junto ao STF, tenha pedido, o inquérito teve Moraes indicado à função de relator, e não sorteado, como normalmente ocorre com novas ações na Corte. Em comunicado divulgado nesta quinta-feira, Aras classifica a apuração como “atípica”.

Augusto Aras usou o comunicado para se dizer “surpreendido com a realização das diligências” da PF, sobre as quais havia se manifestado contrariamente. Na avaliação dele, as medidas determinadas por Moraes, incluindo quebras de sigilos de aliados de Bolsonaro e bloqueios de redes sociais, são “desproporcionais e desnecessárias por conta de os resultados poderem ser alcançados por outros meios disponíveis e menos gravosos”.

Entre os alvos da operação da PF estão empresários bolsonaristas, como o dono da rede de lojas Havan, Luciano Hang, e o dono das redes de academias Bio Ritmo e SmartFit, Edgard Corona, além de blogueiros de direita alinhados ao presidente, como Allan dos Santos. Parlamentares aliados de Bolsonaro, como Bia Kicis (PSL-DF), Carla Zambelli (PSL-SP), Daniel Silveira (PSL-RJ), Filipe Barros (PSL-PR), Luiz Phillipe Orleans e Bragança (PSL-SP) e Cabo Junio Amaral (PSL-MG), prestarão depoimento por ordem de Moraes.

Fonte: Veja
Por João Pedroso de Campos – Atualizado em 28 maio 2020, 17h06 – Publicado em 28 maio 2020, 14h12

Continue lendo

Politica

Após operação que atingiu bolsonaristas, presidente se reúne com ministros

O encontro se dá no dia em que a Polícia Federal cumpriu mandados de busca e apreensão contra apoiadores do governo no âmbito do inquérito das “fake news” no Supremo Tribunal Federal (STF)

Publicado

em

(foto: Reprodução/Ed Alves/CB/D.A Press)
header ads

O presidente Jair Bolsonaro está reunido na tarde desta quarta-feira (27/5) com ministros do governo no Palácio do Planalto. A reunião não estava na agenda presidencial e o teor ainda não foi divulgado.

O encontro se dá no dia em que a Polícia Federal cumpriu mandados de busca e apreensão contra apoiadores do governo no âmbito do inquérito das “fake news” no Supremo Tribunal Federal (STF). O inquérito investiga ataques e ameaças feitos contra membros da Corte.

Os ministros foram chamados para a reunião durante a tarde. Pelo menos os ministros da Justiça e Segurança Pública, André Mendonça, e o da Defesa, Fernando Azevedo, estão no local. O Planalto ainda não confirmou a relação de ministros reunidos com o presidente.

Depois da polêmica envolvendo o vídeo da reunião ministerial do dia 22 de abril, apontada pelo ex-ministro da Justiça Sergio Moro como prova de interferência política de Bolsonaro na PF, o presidente disse que não faria mais reuniões ministeriais; que se reuniria com cada um separadamente.

Na agenda de Bolsonaro já constava uma reunião com o ministro da Educação, Abraham Weintraub, às 14h30. Mais cedo, havia dois encontros com o ministro da Defesa.

Na última terça-feira à noite, o ministro do STF Alexandre de Moraes determinou que Weintraub fosse ouvido pela PF em até cinco dias sobre uma declaração feita na reunião do dia 22. O vídeo da reunião foi divulgado na última sexta-feira (23). Nele, o ministro diz: “Por mim, botava esses vagabundos todos na cadeia. Começando no STF”.

Fonte: Correio Braziliense
Sarah Teófilo postado em 27/05/2020 17:27 / atualizado em 27/05/2020 18:09

Continue lendo

Destaques