Conecte-se conosco

Ceará

Taxa de contaminação da Covid-19 no Ceará é a terceira maior do Brasil

A cada 100 mil habitantes, a incidência do novo coronavírus no estado é de 1,78. No Distrito Federal e no Acre o número é ainda maior.

Publicado

em

- Foto: Reprodução/Reprodução
header ads

O Ceará permanece sendo o estado da região Nordeste com mais casos do novo coronavírus. Um levantamento comparativo feito pelo G1 mostrou outro dado preocupante: o Estado é a terceira unidade do Brasil com maior índice proporcional de incidência da doença. A cada 100 mil habitantes, a taxa de contaminação da população é de 1,78. Atualmente há em torno de nove milhões de residentes no estado.

Para o levantamento foram levados em consideração os casos confirmados pelas secretarias estaduais de saúde, até às 18h dessa segunda-feira (23).

A comparação com as demais unidades da federação mostrou que o Distrito Federal, com quase três milhões de habitantes, é o primeiro do ranking. Lá, a incidência do Covid-19 é de 4,43 a cada 100 mil pessoas. O Acre ocupa a segunda posição. São 891 mil habitantes e a taxa é de 1,90.

No Maranhão, onde até ontem o Ministério da Saúde tinha confirmado dois casos da doença, a taxa de incidência é a menor do país: 0,02.

O número de casos confirmados de pacientes com coronavírus no Ceará subiu para 164 de acordo com novo boletim epidemiológico divulgado nesta segunda-feira (23) pela secretaria estadual da Saúde. A quantidade de casos suspeitos e os descartados não são mais divulgados.

Ocorrências

Quando considerados os números absolutos, o Ceará também se figura como terceiro estado com maior índice de casos no Brasil, ficando atrás de São Paulo, com 745; e Rio de Janeiro, com 191. No Ceará, até o momento, não há registros de mortos devido ao novo coronavírus.

O infectologista Bráulio Matias de Carvalho pontua que “falar sobre essa taxa de incidência é muito relativa e depende das decisões governamentais que estão sendo tomadas”, pois, segundo ele, “isso muda conforme as decisões, até mesmo se se recomenda isolamento mais recentemente ou mais tardio”.

Para o médico, o fato do Ceará ser uma porta de chegada da Europa influenciou diretamente no rápido aumento dos casos. “Há uma íntima relação com as viagens. É tudo muito novo. É preciso pensamento coletivo. De 0 a mil, a importância do isolamento domiciliar é mil. A principal saída nesse momento é o isolamento social. Sabemos que isso vai ser uma temporada. A primeira medida é essa. Antes de sair de casa pense: é essencial sair mesmo? Se não for, não saia”, disse.

O infectologista Ramiro Moreira ressalta que o índice médio no Ceará está dentro do previsto. Segundo Moreira, “precisamos aguardar mais um pouco para discorrer sobre isso. Há muitos pacientes no aguardo do resultado do exame”.

– Foto: Reprodução/G1 CE

As secretarias estaduais de Saúde divulgaram, até 16h00 desta segunda-feira (23), 1.646 casos confirmados de novo coronavírus no Brasil em 26 estados e no Distrito Federal. São 22 em São Paulo e três no Rio de Janeiro.

Hospital no PV

O prefeito de Fortaleza, Roberto Cláudio, anunciou nesta segunda-feira (23) a construção de um hospital de 3,5 mil m² dentro do Estádio Presidente Vargas, no Bairro Benfica. A nova unidade de saúde contará com 17 enfermarias com 12 leitos – total de 204 leitos – para receber pacientes diagnosticados com a Covid-19. A estrutura do hospital já começou a ser montada na tarde desta segunda (23).

Vacinação contra gripe

O Shopping Iguatemi, North Shopping Fortaleza e Jóquei, o Via Sul e o RioMar Kennedy e Papicu vão ser locais para vacinação contra a gripe, além do estacionamento da Universidade de Fortaleza. Escolas da rede municipal também serão integradas à campanha, conforme anúncio feito nesta segunda-feira (23) pela secretária municipal de Saúde, Joana Maciel. Além disso, pessoas com mais de 80 anos receberão a vacina em casa.

A vacinação nestes lugares ocorrerá na quarta-feira (25) e durante o fim de semana em um espécie de a vacinação ocorrerá na quarta-feira (25) e durante o fim de semana

De acordo com a secretária, os espaços serão usados para evitar aglomerações, que podem contribuir para a transmissão do novo coronavírus. A campanha tem como foco, durante esta primeira fase, o grupo envolvendo idosos e profissionais de saúde.

“O Influenza também causa doenças graves e é muito importante que você, que tem mais de 60 anos, se vacine. Outra questão é que também é importante que você não tenha doenças causadas por outros vírus para que não seja confundido com a Covid-19”, disse Joana.

Transmissão comunitária

O Estado do Ceará já registra caso de transmissão comunitária do novo coronavírus, de acordo informação do secretário de Saúde, Dr. Cabeto. A transmissão comunitária – quando o contágio da doença está ocorrendo dentro do próprio estado – aumenta a necessidade de isolamento social. “Agora passam a ser contágios múltiplos entre pessoas do próprio estado por isso aumenta mais ainda a importância do isolamento social”, ressaltou Cabeto.

Medidas do governo do Ceará

Veja as medidas anunciadas pelo governo do estado contra proliferação do novo coronavírus no Ceará de 16 de março a 22 de março:

  • Decreto de situação de emergência na saúde pública;
  • Aulas suspensas em escolas e universidades públicas por 15 dias;
  • Proibição de eventos com mais de 100 pessoas;
  • Compra de mais de 10 mil kits para diagnosticar os casos de Covid-19;
  • Destinação de 200 leitos para enfermaria e 30 leitos de unidade de terapia intensiva (UTI) para atender aos pacientes;
  • Compra de 600 UTIs e equipamentos de proteção para os profissionais da saúde;
  • Isolamento social;
  • Suspensão por 10 dias do funcionamento de bares, barracas de praia, restaurantes, lanchonetes, templos e igrejas, museus, academias de ginástica, feiras livres, lojas que prestem serviço de natureza privada, galerias e centros comerciais (liberados os serviços de entrega por aplicativo). As medidas restritivas não se aplicam a bares que funcionem no interior dos hotéis e pousadas, desde que sirvam somente aos hóspedes;
  • Interrupção do funcionamento do metrô em Fortaleza, Sobral e Juazeiro do Norte, a partir de 0h de sábado (21);
  • Fim das viagens intermunicipais, a partir da 0h de segunda-feira (23);
  • Prorrogação do ponto facultativo para os servidores públicos do estado até sexta-feira (27);
  • Barreiras nas divisas do Ceará com outros estados, para fiscalização sanitária;
  • Suspensão das atividades do setor industrial até 29 de março, exceto a produção de itens essenciais;
  • Suspensão por 90 dias (abril, maio e junho) da cobrança de água para consumidores de baixa renda;
  • Suspensão por 90 dias da cobrança da tarifa de contingência;
  • Lançamento de edital para artistas, que farão apresentações on-line;
  • Inspeção de passageiros que chegam pelo aeroporto de Fortaleza.

Ciclo do coronavírus — Foto: Foto: Reprodução/Arte/G1

Fonte: G1 CE 24/03/2020 05h01

--Publicidade--
Clique para comentar

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.

Ceará

Mortes por Covid-19 ultrapassam número de assassinatos registrados em 2019 no Ceará

Até último boletim epidemiológico da Secretaria de Saúde (Sesa), óbitos por novo coronavírus somavam 3.504 no Estado.

Publicado

em

Mortes por Covid-19 no Ceará ultrapassam número de assassinatos registrados em 2019 no Estado — Foto: Paulo Alberto/SVM
header ads

Um balanço comparativo feito com dados dos registros de mortes pela Covid-19 no Ceará frente ao número de vítimas de Crimes Violentos Letais e Intencionais (CVLIs) nos 12 meses de 2019 no Estado mostra que o número de vítimas da doença já supera o número de óbitos por estes tipos de crimes.

Na somatória, segundo dados do último boletim epidemiológico da Secretaria de Saúde (Sesa), divulgado na noite desta terça-feira (2), mostra que 3.504 morreram em decorrência do novo coronavírus. Já conforme a Secretaria da Segurança Pública e Defesa Social do Estado do Ceará (SSPDS), 2.257 pessoas perderam a vida no ano passado por homicídios, latrocínios (roubos seguidos de morte) e lesões corporais com óbito.

Os números retratam uma crise sanitária em uma zona com altas taxas de violência. As 24,7 mortes por 100 mil habitantes do período passado já configuram uma epidemia na segurança. Para as Organizações das Nações Unidas (ONU), o teto do índice seria de 10.

A taxa de letalidade do novo coronavírus é de 6,4. O dado é diferente de mortalidade pois afere apenas o saldo de infectados e mortos, sem considerar geral dos residentes no Ceará.

“Se concentra em dois meses uma mortalidade que, pela violência, caberia no ano inteiro. Isso é dramático para a população. A morte por coronavírus deixa insegurança na família inteira, as pessoas se perguntam se estão contaminadas”, avalia o médico sanitarista Manoel Fonseca, especialista em epidemiologia. Ele observa que, para os familiares das vítimas, é gerada uma carga psicológica muito forte.

Fonseca considera que o comparativo motiva “uma preocupação extraordinária”, uma vez que as mortes causadas pela doença alcançam todas as faixas etárias. “O pior é que essa tendência não se acabou. Alguns estudos que estão avançando mostram que a mortalidade vai até o final de agosto, e só vão reduzir em setembro. Nós vamos superar qualquer indicador até lá”.

Perfil dos óbitos

Segundo o Atlas da Violência de 2019, produzido pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) e pelo Fórum Brasileiro de Segurança Pública, o indivíduo do país com mais probabilidade de morte violenta intencional é um homem jovem, solteiro, negro, com até sete anos de estudo e que esteja na rua entre 18h e 22h.

Quando se trata dos CVLIs, as características nacionais são similares no Ceará. Aspecto não seguido pela Covid-19, com perfil mais abrangente.

A maioria das vítimas pela doença tem faixa etária acima de 70 anos. Até o último boletim epidemiológico semanal da Secretaria de Saúde do Ceará (Sesa), divulgado no dia 26 de maio, a letalidade nestas pessoas era maior: 32,9% para homens, e 23,5% no sexo feminino.

A idade avançada é facilitador da Covid-19, assim como doenças respiratórias, cânceres, obesidade ou tabagismo. Mas todos estão suscetíveis. Os adultos economicamente ativos concentram os casos (67,6%) e correspondem a 12% das mortes.

“A Covid é um vírus e os primeiros cinco dias dão indícios se o paciente vai evoluir ou não para fase de gravidade. É quando pode criar o problema inflamatório e complica o pulmão, com pacientes com o órgão comprometido em 70%, é um processo rápido. Mas o crescimento e a evolução ao óbito dependem de muitos fatores, do quadro de risco, da imunidade própria, da quantidade de vírus e do tratamento adequado. Esse quesito é muito importante no tratamento”, declara o infectologista Anastácio Queiroz.

Os fatores listados traçam as individualidades e as resistências de cada paciente. No entanto, a estatística mais importa quando os números se transformam em nomes. O tempo médio de internação do paciente acometido com a doença no Ceará é de oito dias.

Mais de 50 mil infectados

O Ceará tem 54.683 casos positivos de Covid-19 e 3.504 óbitos, segundo dados da plataforma IntegraSUS, da Secretaria da Saúde. A atualização foi às 19h27 desta terça-feira (2). Nesta segunda-feira (1º) o Estado ultrapassou os 50 mil diagnósticos positivos da doença. A plataforma aponta ainda o município de Caucaia, na Região Metropolitana de Fortaleza, com 117 mortes, sendo a terceira cidade cearense a superar uma centena de óbitos, atrás de Fortaleza (2.277) e Maracanaú (131).

Neste domingo (31), o estado ultrapassou os 3 mil óbitos. No dia anterior, sábado (30), foram registrados 9.427 casos. A grande quantidade de registros ocorreu por causa da liberação do resultados de mais de 20 mil testes, incluindo os do tipo PCR, testes rápidos e sorologia, segundo a Sesa. Ao todo, 128.753 testes já foram realizados no Ceará.

Em Fortaleza já foram registradas 2.277 pessoas que não resistiram à enfermidade, além de 25.344 diagnósticos. A quantidade de casos investigados do novo coronavírus (SARS-CoV-2) em todo o estado é de 53.462. Houve a recuperação de 35.623 pessoas.

Os números apresentados pela Secretaria da Saúde são atualizados permanentemente e fazem referência à disponibilidade dos resultados dos testes para detectar a presença dos vírus, ou seja, não necessariamente correspondem à data da morte ou do início da apresentação dos sintomas pelo paciente.

Fonte: G1 CE 03/06/2020 05h30

Continue lendo

Ceará

Ocupação de leitos para Covid-19 chega a 81% em cidades com lockdown no interior do Ceará

Cidades do interior do Ceará passam a ser foco de preocupação das autoridades.

Publicado

em

Ocupação de leitos para Covid-19 chega a 81% em cidades do Ceará com lockdown — Foto: Reprodução/Sesa/Divulgação
header ads

Os municípios do interior do Ceará Sobral, Itapipoca, Camocim, Itarema e Acaraú, que começaram a adotar medidas mais rígidas de distanciamento social segunda-feira (1º), têm, juntos, 410 leitos ativos de Unidades de Terapia Intensiva (UTIs) e de enfermarias para pacientes com Covid-19.

Nesta terça-feira (2), a taxa de ocupação desses leitos, é de 81,46%, conforme dados das secretarias municipais de saúde e da plataforma IntegraSus, da Secretaria da Saúde (Sesa) do Ceará.

Ao todo, nas cinco cidades, há 334 pessoas internadas em decorrência da Covid-19 neste momento. Dos cinco municípios, Camocim e Acaraú não têm leitos de UTI. Já Sobral, Itapipoca e Itarema contam com 137 leitos de UTIs ativos. Destes, 136 estavam ocupados (99,27%) na manhã desta terça-feira.

Em Itarema há 5 leitos de semi UTI, destinados a pacientes que exigem cuidados intensos, mas que não necessitam de monitoramento permanente. Além disso, as cinco cidades, juntas, têm 268 leitos de enfermarias. Deste total, 198 estavam ocupados.

As cinco cidades da região Norte, além de Caucaia e Maracanaú, na Região Metropolitana de Fortaleza, consta no decreto publicado no último sábado (30), pelo governador Camilo Santana (PT), como municípios que devem implementar medidas mais rígidas de isolamento social, assim como aconteceu em Fortaleza. Apesar das determinações, várias ações de desrespeito ao isolamento foram registradas no primeiro dia de validade dos decretos municipais.

Ocupação em Sobral

Juntas, as cinco cidades do interior somam 4.852 casos confirmados da doença, segundo a última atualização do IntegraSus. Sobral tem o maior número de infectados do Interior e segundo maior número de confirmações do Ceará, atrás apenas de Fortaleza.

O maior município da Região Norte também tem o maior número de leitos de UTI e enfermarias. Segundo a Prefeitura, são 120 UTIs (119 ocupadas) e 169 enfermarias (123 ocupadas) distribuídas no Hospital Regional Norte, na Santa Casa de Misericórdia de Sobral, no Hospital de Campanha Dr. Alves e no Hospital Dr. Estevam.

O isolamento social ainda é a principal saída para tentar prevenir o contágio da doença. “A velocidade da contaminação pode elevar rapidamente o número de casos. Com o agravamento desses casos, ainda que haja aumento na estrutura física, pode haver sobrecarga das equipes assistenciais”, avalia a coordenadora do Controle de Infecção Hospitalar do HRN, Diana Muniz. Ela reitera que o distanciamento contribui para que o sistema de saúde não seja sobrecarregado.

Pacientes com comorbidade

Caixão é levado para sepultamento, no Ceará — Foto: Kid Júnior/SVM (Arquivo)

Com a escassez de leitos nas unidades, pacientes que precisam de atendimento por conta de outras doenças são prejudicados. “Existem as outras comorbidades que não deixaram de existir, como o AVC e o infarto, que são provocados inclusive por diabetes, hipertensão, obesidade, fatores de risco de maior mortalidade em pacientes que adquirem Covid-19″, explica o neurologista, Gustavo Vieira Rafael.

A unidade referência possui 99 UTIs (todas ocupadas), e 72 enfermarias (com 62 pacientes). Por conta da demandaa, vem recebendo insumos do Governo do Estado, como 20 novos respiradores mecânicos.

A situação de Itapipoca, que tem o 5º maior número de infectados do Ceará também gera preocupação. No Município, os casos de maior complexidade vão para o Hospital Maternidade São Camilo, unidade referência para os municípios da 6ª Coordenadoria Regional de Saúde (Cres), atendendo as cidades de Itapipoca, Amontada, Miraíma, Trairi, Uruburetama, Tururu e Umirim. Os 17 leitos de UTI na unidade estão ocupados. Outros 18 pacientes estão internados em leitos das enfermarias. O município deve receber mais 40 leitos em um Hospital de Campanha.

Já em Camocim, na Unidade de Pronto Atendimento (UPA) não há leitos de UTI. Das 16 enfermarias, 15 estão ocupadas. A Prefeitura afirmou que irá abrir mais 12 leitos de enfermaria nesta semana.

Já no Hospital Dr. Moura Ferreira, em Acaraú, 18 das 20 enfermarias estão com pacientes internados. A partir do dia 12, a UPA deve funcionar como Hospital de Campanha com 20 leitos de UTI. Em Itarema, o Hospital Municipal Natércia Rios, que também não possui leitos de terapia intensiva, tem 24 das 28 enfermarias ocupadas. Além de cinco semi-UTIs livres para receber pacientes.

Fonte: G1 CE 02/06/2020 17h48

Continue lendo

Ceará

Quadra chuvosa no Ceará fica acima da média histórica pela primeira vez nos últimos 10 anos

Outro ponto positivo da quadra chuvosa deste ano foi a distribuição espacial das chuvas no território cearense.

Publicado

em

Açude Caldeirões, em Saboeiro, foi um dos reservatórios que sangraram no Ceará em 2020. — Foto: Honório Barbosa
header ads

As chuvas registradas Ceará na quadra chuvosa deste ano, que teve início em fevereiro e se encerrou no domingo (31), ficaram acima da média histórica pela primeira vez desde 2009. Segundo dados da Fundação Cearense de Meteorologia e Recursos Hídricos (Funceme) consultados na manhã desta segunda-feira (1º), o estado contabilizou 734.6 milímetros de chuva no quadrimestre, 22.3% acima do normal para o período (695.8 mm).

Do início dos anos 2000 até hoje, somente as quadras chuvosas de 2009 (965.7 mm) e 2008 (768.2 mm) haviam atingido este patamar.

Volumes superiores a 695.8 mm são tratados como “acima da média”. Quando o acumulado no quadrimestre fica entre 505.6 mm e 695.8 mm, é considerado “em torno da média”. Já quando o observado é menor que 505.6 mm, considera-se “abaixo da média”.

Distribuição

Além de ficar acima da média histórica, o ponto alto desta quadra chuvosa foi a distribuição espacial das chuvas. “Embora algumas áreas isoladas possam não ter sido tão beneficiadas pelas chuvas, de um modo geral, diferentemente do observado nos últimos anos, as precipitações foram melhor distribuídas no estado”, avalia Meiry Sakamoto, gerente de Meteorologia da Funceme.

Segundo ela, em fevereiro, março e parte de abril, as condições do oceano Atlântico favoreceram o posicionamento da Zona de Convergência Intertropical (ZCIT) sobre o Nordeste do Brasil, “levando chuvas, inclusive, para o interior do Ceará”, aponta. “Estes números, apesar de preliminares, confirmam os prognósticos climáticos divulgados em janeiro e fevereiro. É o melhor resultado desde 2009, quando as precipitações ficaram 60,8% acima da média do quadrimestre”.

No mês de maio, com o afastamento da ZCIT, foi possível observar uma diminuição das chuvas, que ocorreram, conforme Sakamoto, associadas a áreas de instabilidade formadas no oceano próximo à faixa litorânea, ou se deslocando em direção ao estado, a partir do setor leste da região Nordeste. “Essa tendência de redução ao longo da estação chuvosa havia sido indicada nos prognósticos da Funceme”, ressalta a meteorologista.

Macrorregiões

Entre fevereiro e maio, a macrorregião do Cariri foi a que teve maior variação positiva de chuvas. Com 864 mm, o índice ficou 39,9% acima do normal para a região. Na sequência está o Litoral de Fortaleza, com chuvas 31,8% acima da média, região que em termos absolutos acumulou o maior volume precipitado no período (1.050,2 mm).

Repetindo a tendência histórica, nesta quadra, março foi o mês mais chuvoso, com 275.7 mm (35.5% acima do normal), seguido de fevereiro (192.2 mm) e abril (181.2 mm). Maio apresentou o menor índice pluviométrico, com 86.5 mm (-4,6%). Ainda assim, foi o maio mais chuvoso desde 2013, quando o Ceará registrou 92.2 mm (1.8%).

Reservatórios

As boas chuvas tiveram impacto positivo, também, no cenário hídrico e o Ceará atingiu a marca de um terço da capacidade dos 155 reservatórios monitorados pela Companhia de Gestão dos Recursos Hídricos (Cogerh), situação que não ocorria desde outubro de 2013. Além disso, 35 reservatórios excederam a capacidade máxima e permanecem sangrando, conforme o Portal Hidrológico do órgão.

Os três maiores açudes do Ceará – Castanhão, Banabuiú e Orós, ganharam 13,21%, 7,54% e 22,78% de volume, respectivamente, de janeiro até o hoje (1).

O Castanhão acumula agora 15,97% de seu volume de água, Banabuiú 13,58% e Orós 27,96%. A recuperação fica evidente quando olhamos os índices das bacias onde os reservatórios estão localizados. Na bacia do Médio Jaguaribe, onde fica o Castanhão, o acúmulo é de 15,59%. Em 1º de janeiro, esta taxa era de apenas 2,85%. Já nas bacias do Alto Jaguaribe e do Banabuiú, onde ficam Orós e Banabuiú, a recuperação foi ainda maior. Na primeira, que iniciou o ano com 5,74% da capacidade, este índice chegou a 35,17%. Já na do Banabuiú, onde fica o reservatório homônimo, a capacidade saiu de 6,36%, em 1º de janeiro, para 14,18%.

Os reservatórios da bacia do Litoral, região que concentrou os maiores volumes de chuva no Ceará, estão em situação mais confortável, concentrando 99,86% do suporte total. Dos 10 açudes, sete estão sangrando. Situação semelhante ocorre na bacia do Coreaú, que acumula 98,81% da capacidade e possui sete dos 10 reservatórios sangrando atualmente.

Aumento da demanda

O abastecimento chega em um momento de aumento da demanda com o isolamento social. A Companhia dec Água e Esgoto do Ceará (Cagece), responsável pela distribuição no Ceará, chegou a ampliar o sistema integrado de Fortaleza. As estações de tratamento do Gavião e Oeste tiveram aumento de 3,6% na vazão de água produzida com o objetivo de aumentar a oferta de água distribuída na Grande Fortaleza.

Até 10 de junho, o Hospital Regional do Sertão Central, em Quixeramobim, devem seguir recebendo reforço hídrico durante o isolamento. O aumento acontece a partir da operação controlada de transferência de água do açude Fogareiro, do sistema Banabuiú, para o Açude Quixeramobim, iniciada em maio. “Com a crise provocada pela pandemia, a demanda por água se tornou mais urgente ainda”, explicou o gerente regional, Paulo Ferreira. “A transferência não tem causado impacto no abastecimento das comunidades rurais situadas no entorno do Fogareiro”.

Fonte: G1 CE 01/06/2020 10h35

Continue lendo

Destaques