Conecte-se conosco

Brasil & Mundo

Menino de 11 anos é suspeito de matar padrasto para proteger mãe e irmão.

Segundo a polícia, garoto teria dado duas facadas no homem; crime ocorreu em Campinas.

Publicado

em

Viatura da Polícia Militar durante ocorrência na avenida Dr. Francisco Mesquita, na Vila Prudente (zona leste) - Rivaldo Gomes - 20.ago.19/Folhapress
header ads
SÃO PAULO

Um menino de 11 anos é suspeito de matar a facadas o padrasto, na noite desta segunda-feira (10), em Campinas (93 km de SP), para proteger o irmão de 15 anos e a mãe de 40, que estariam sendo agredidos.

Segundo a polícia, o padrasto, 43 anos, discutiu com a mulher porque as contas de luz estavam atrasadas e a energia da casa havia sido cortada.

A mãe afirma que, durante a briga, o homem partiu para cima dela. Ao testemunhar a violência, o filho de 15 anos interveio, mas acabou imobilizado pelo padrasto com um mata-leão e agredido com socos no rosto.

Em depoimento à polícia, a mulher afirmou ainda que tentou ajudar o adolescente, e os três acabaram “se embolando”. Neste momento, segundo boletim de ocorrência, a criança de 11 anos pegou uma faca na cozinha e atingiu o padrasto duas vezes, sendo que um dos golpes atingiu o pescoço.

Ainda segundo o boletim de ocorrência, o homem, ferido, abriu a porta da casa e saiu para a rua, no bairro Jardim Novo Mundo, para pedir ajuda. Uma vizinha que é técnica de enfermagem tentou ajudar a estancar o sangue até a chegada de um socorrista, mas o homem morreu no local.

A mãe e os dois garotos foram até a delegacia, onde contaram a mesma versão sobre o caso. A criança foi à Vara da Infância e da Juventude nesta terça-feira (11), acompanhada pela mãe, e liberada em seguida.

Segundo a polícia, a mulher já havia registrado um boletim de ocorrência de agressão contra o marido, no ano passado. Em depoimento, ela reforçou que o homem era uma pessoa “ciumenta e agressiva”.

O Tribunal de Justiça de São Paulo afirmou que não comenta o caso, pois ele corre em segredo de Justiça.

Estatuto da Criança

Iberê Dias, juiz da Vara da Infância e da Juventude de Guarulhos (Grande SP), explicou que, com base no ECA (Estatuto da Criança e do Adolescente), menores de 12 anos não podem ser responsabilizados.

“Não posso falar especificamente sobre este caso, mas, de forma genérica, o que esta criança e a família precisam é de um acompanhamento psicossocial”, afirmou o magistrado, que não é o juiz responsável por este caso de Campinas.

Investigação

A SSP (Secretaria da Segurança Pública), gestão João Doria (PSDB), afirmou que o caso foi registrado como violência doméstica, lesão corporal e lesão corporal seguida de morte na 2ª Delegacia de Defesa da Mulher de Campinas.

“Os fatos estão sendo investigados por meio de inquérito pela unidade em conjunto com a Delegacia da Infância e Juventude. Todas as partes foram ouvidas e a criança liberada para o responsável como previsto no ECA [Estatuto da Criança e do Adolescente]”, diz trecho de nota.

Fonte:São Paulo Agora

--Publicidade--
Clique para comentar

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.

Brasil & Mundo

Governo promulga acordo de livre comércio automotivo com o Paraguai

Brasil já assinou acordos semelhantes com a Argentina e o Uruguai

Publicado

em

Foto: Reprodução/Arquivo/Agência Brasil
header ads

O presidente Jair Bolsonaro promulgou o acordo de livre comércio automotivo assinado com o governo do Paraguai em fevereiro deste ano. O decreto sobre a execução e cumprimento do acordo foi publicado hoje (10) no Diário Oficial da União.

Em nota, a Secretaria-Geral da Presidência da República disse que o objetivo do documento é facilitar o comércio e a cooperação aduaneira entre os dois países, em especial para os produtos automotivos. Pelo acordo, as peças e os veículos vendidos pelos dois países terão tarifas mínimas ou zeradas, mas o intervalo para o livre comércio variará entre os dois países.

Os produtos automotivos paraguaios, peças e veículos, terão livre comércio imediato no Brasil. Os produtos brasileiros, no entanto, serão taxados em até 2% no Paraguai. As tarifas cairão gradualmente, por meio da aplicação de margens de preferências, até a liberação total do comércio no fim de 2022.

No ano passado, o Brasil exportou US$ 415 milhões para o Paraguai e importou US$ 235 milhões em produtos automotivos.

O Brasil já assinou acordos semelhantes com a Argentina, no ano passado, e o Uruguai, em 2015, no âmbito da Associação Latino-Americana de Integração (Aladi).

As condições valem por tempo indeterminado ou até que todo o setor automotivo se adapte ao Regime Geral do Mercosul, que prevê tarifa externa comum (TEC) em 11 níveis tarifários, cujas alíquotas variam de 0% a 20%, com escalonamento. Insumos têm alíquotas mais baixas e produtos com maior grau de elaboração, alíquotas maiores.

Fonte: Agência Brasil
Publicado em 10/08/2020 – 13:17 Por Andreia Verdélio – Repórter da Agência Brasil – Brasília
Edição: Fernando Fraga

Continue lendo

Brasil & Mundo

EUA vão compartilhar vacina após garantir necessidade interna

Anúncio foi do secretário de Saúde dos Estados Unidos, Alex Azar

Publicado

em

Foto: Reprodução/Central News Agency/REUTERS/Direitos reservados
header ads

O secretário de Saúde dos Estados Unidos, Alex Azar, disse, nesta segunda-feira (10), que qualquer vacina norte-americana ou tratamento para a covid-19 seriam compartilhados com o restante do mundo, assim que as necessidades dos Estados Unidos forem atendidas.

Há mais de 200 candidatos à vacina da covid-19 em desenvolvimento ao redor do mundo, incluindo mais de 20 na fase em que são testadas em humanos. O presidente norte-americano, Donald Trump, prometeu que terá uma pronta até o fim do ano, embora geralmente demore anos para desenvolvê-las e testá-las com segurança e efetividade.

“Nossa primeira prioridade, claro, é desenvolver e produzir quantidade suficiente de vacinas e tratamentos seguros e efetivos, aprovados pela FDA (agência reguladora de alimentos e medicamentos dos EUA) para uso nos Estados Unidos”, disse Azar a repórteres durante visita a Taiwan.

“Mas esperamos ter a capacidade de, assim que essas necessidades forem atendidas, que esses produtos estejam disponíveis na comunidade mundial, de acordo com distribuições justas e equitativas, sobre as quais faríamos consultas na comunidade internacional.”

Ele não avançou mais que isso sobre esse tema em seus comentários.

Azar também disse que a decisão dos Estados Unidos de deixar a Organização Mundial da Saúde (OMS) não significará menos envolvimento de seu país na saúde pública global.

“Os Estados Unidos sempre foram e continuarão sendo o maior financiador de saúde pública no mundo”, acrescentou.

“Após nossa saída da OMS, trabalharemos com outros na comunidade mundial para encontrar os veículos apropriados para continuar apoiando, de maneira multilateral e bilateral, a saúde pública global, como os EUA fizeram no passado.”

Fonte: Agência Brasil
Publicado em 10/08/2020 – 11:03 Por Ben Blanchard – Reuters – Taipé

Continue lendo

Brasil & Mundo

Desfile de 7 de Setembro é cancelado por causa de pandemia

Medida visa evitar disseminação da covid-19

Publicado

em

Foto: Tomaz Silva/Agência Brasil
header ads

Por causa da pandemia do novo coronavírus a participação das Forças Armadas nas festividades de 7 de Setembro no país foi cancelada pelo Ministério da Defesa. A portaria, assinado pelo ministro Fernando Azevedo e Silva, que informa sobre a decisão está publicada na edição de hoje no Diário Oficial da União.

O texto destaca em função do contexto atual no mundo pela covid-19 não é recomendável pelas autoridades sanitárias a promoção de eventos que possam gerar aglomerações de público, devido ao risco de contaminação.

“Em consequência, de acordo com as coordenações realizadas com a Presidência da República, determino aos comandantes da Marinha do Brasil, do Exército Brasileiro e da Força Aérea Brasileira que orientem suas respectivas Forças para se absterem de participar de quaisquer eventos comemorativos alusivos ao supracitado evento como desfiles, paradas, demonstrações ou outras que possam causar concentração de pessoas”, diz a norma.

Fonte: Agência Brasil
Publicado em 07/08/2020 – 12:40 Por Karine Melo – Repórter Agência Brasil – Brasília
Edição: Valéria Aguiar

Continue lendo

Destaques