Home > Esportes > Tite terá de assimilar erros para ter sucesso em 2022
tite

Tite terá de assimilar erros para ter sucesso em 2022

Tite completou dois anos à frente da Seleção durante a Copa do Mundo da Rússia. Nesse tempo, comandou a seleção em 26 jogos, perdendo apenas duas vezes. A campanha quase irrepreensível fez o técnico cair nas graças da torcida. O problema é que a última derrota, diante da Bélgica, custou a eliminação do Brasil nas quartas de final da competição e manchou o bom desempenho do trabalho do treinador.

A eliminação precoce trouxe ensinamentos para Tite, que, tudo indica, deverá permanecer à frente da Seleção para o ciclo visando ao Mundial do Catar, em 2022. A seguir, o Estado aponta sete erros do técnico na Copa que precisarão ser revistos se ele renovar o seu vínculo.

RESERVA PARA CASEMIRO – Tite sempre elogiou o futebol de Fernandinho. Durante as Eliminatórias, chegou a dizer que o futebol dele era um espelho ao de Casemiro. O volante do Manchester City é bom jogador, mas mostrou que não pode ser primeiro volante na seleção brasileira, sobretudo para desempenhar a mesma função do titular. Fernandinho é menos marcador do que Casemiro e tem menos imposição física do que o jogador do Real Madrid. Com Fernandinho contra a Bélgica, o Brasil mudou muito sua engrenagem de defesa.

TEIMOSIA – Paulinho e Gabriel Jesus foram fundamentais durante as Eliminatórias. Renato Augusto, também. Mas enquanto Tite reconheceu que o meia do Beijing Guoan vinha atuando abaixo de seu melhor potencial e decidiu deixá-lo na reserva, não teve coragem de fazer o mesmo com Paulinho e com o atacante do Manchester City. Paulinho chegou à seleção com problemas físicos e precisou ser substituído em todas as partidas. Gabriel Jesus sentiu a pressão de um Mundial e perdeu chances de gol em todos os jogos. Tite morreu abraçado com eles.

SUPERPROTEÇÃO À NEYMAR – Neymar é o principal jogador da seleção. Tem muita habilidade e é um dos melhores do mundo. Preservar o jogador até que faz sentido, desde que não seja demais. O problema é que o atacante há muito tem se destacado mais pelas polêmicas do que pelo futebol. Tite, e toda a comissão técnica do Brasil, passaram a Copa blindando Neymar e impedindo qualquer tipo de questionamento sobre sua conduta na Rússia, mesmo quando ela era flagrantemente equivocada. Tite passou a mão na cabeça de Neymar. Chegou a impedir que ele respondesse a uma pergunta na única entrevista em que o jogador participou no Mundial. Em vez de ajudar o atleta, conseguiu que virasse alvo maior de questionamentos.

DOSAGEM DOS TREINOS – Alguns técnicos são criticados com razão pela pouca quantidade de treinos. Outros, pelo excesso. Tite e sua comissão podem ter sido criteriosos no número de atividades – em geral, uma por dia -, mas exageraram na intensidade. Prova disso foi o número elevado de lesões desde que a seleção se apresentou. Fred, Renato Augusto e Douglas Costa são três exemplos. Marcelo teve um espasmo muscular cuja culpa foi creditada a um colchão. Mas o caso mais curioso foi o do lateral-direito Danilo, que sofreu duas lesões mais graves em dois treinos de véspera de partida.

POUCA VARIAÇÃO TÁTICA – Durante o período pré-Copa, Tite tinha um lamento frequente: o de não conseguir realizar treinos com o grupo de convocados. De fato, em geral, apenas três deles contaram com elenco completo durante os 10 dias em que a seleção se reunia para as datas Fifa. Mas a preparação para a Copa do Mundo durou quase um mês – sem contar o período depois que o Mundial iniciou – e, mesmo assim, o time apresentou apenas duas formas de jogar. A preferida foi o 4-1-4-1, enquanto a alternativa era o tradicionalíssimo 4-4-2. Nada além disso foi visto.

O CAPITÃO – Até se entende o argumento de Tite sobre o rodízio de capitães, uma forma de dividir as responsabilidades e mostrar que não há uma hierarquia. Só que isso trouxe um efeito: não houve um líder a quem recorrer quando a coisa apertou, tampouco alguém que chamasse a responsabilidade. A seleção sempre teve capitães respeitados nas cinco conquistas mundiais. Se até em 1970, em uma seleção recheada de craques, a braçadeira ficou apenas com Carlos Alberto Torres, por que agora seria diferente?

DEMORA NOS AJUSTES – A seleção estudara bem a Bélgica. Mesmo assim, Tite não foi capaz de ajustar a equipe antes do intervalo. No primeiro tempo, que terminou em 2 a 0 para os belgas, Eden Hazard fez o que quis pelo lado esquerdo de ataque, Romelu Lukaku ganhou quase todas como pivô e Kevin De Bruyne, que jogou mais solto, teve ampla liberdade de atuação. (colaboraram Almir Leite e Leandro Silveira)

Sobre Francisco Marcos Ferreira

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.
x

Veja Também

Fla bate o Grêmio e pega o Corinthians na semi

O Flamengo venceu o Grêmio por 1 a 0 nesta quarta-feira e garantiu vaga para a semifinal da Copa do ...