Caso Rebeca: Estudante foi morta por descobrir que padrasto traiu a mãe

Cinco anos depois do fato acontecido, a  Polícia Civil da Paraíba encerrou o inquérito do assassinato da estudante Rebeca Cristina, encontrada morta e violentava em julho de 2011, no bairro de Mangabeira, em João Pessoa. O cabo Edvaldo Soares da Silva, padrasto da garota, foi indiciado pelos crimes de estupro e homicídio qualificado. O policial militar está preso na sede do 1º Batalhão em João Pessoa desde julho deste ano e  nessa terça-feira (20), o policial teve a prisão preventiva decretada pela Justiça Estadual.


O delegado Glauber Fontes, que há 3 anos comanda às investigações, revelou  que o inquérito foi entregue ao Ministério Público da Paraíba, que ofereceu denúncia contra o padrasto. O juiz do 1º Tribunal do Júri, Antônio Maroja, acolheu pedido  e converteu e a prisão temporária em preventiva.

“A Polícia Civil concluiu o inquérito policial com o indiciamento do padrasto, apontando vinte e dois indícios do convencimento da participação direta do cabo Edvaldo no estupro e morte de Rebeca. Podemos dizer que essa primeira fase do inquérito foi concluída depois de cinco anos de muita investigação”, disse o delegado.

Fontes revelou que um inquérito complementar será iniciado para chegar a outros participantes do assassinato da estudante. “Vamos começar uma nova fase das investigações, mas o principal participante dessa morte brutal foi identificado, está preso e agora virou réu depois do acolhimento da denúncia por parte do juiz. Apesar do cabo Edvaldo mentir várias vezes na tentativa de dificultar as investigações, nós chegamos até ele”, comentou.

Conforme o delegado, entre os indícios apontados pela Polícia Civil, destacam-se: o histórico do suspeito voltado para prática de crimes sexuais, pois, ao longo da investigação, vários casos foram identificados, tendo alguns se transformado em inquérito policial próprio e em sindicância instaurada.
rebeca-5436_003
“No dia do crime, Edvaldo Soares não estava escalado oficialmente para trabalhar no Presídio do Róger, como afirmava. Ele usou a unidade prisional apenas para apresentar um álibi que não se sustentou. Esteve ausente do presídio no dia do crime não em qualquer horário do dia, mas, exatamente no período em que a perícia concluiu que houve a morte da estudante Rebeca Cristina. Por diversas vezes, o suspeito tentou tumultuar as investigações, sempre trazendo informações falsas. Quanto à motivação do crime, trabalhamos em duas frentes: Edvaldo mantinha um relacionamento extraconjugal e a vítima teria descoberto isso e a segunda foi em razão de um distúrbio sexual apresentado pelo suspeito”, afirmou Glauber Fontes.
                      
Durante as investigações, a Polícia Civil descobriu que o padrasto de Rebeca Cristina tinha se envolvido em um caso de tentativa de homicídio contra uma ex- mulher, com quem tem uma filha.  Além disso, em sua casa foram encontradas fotografias de crianças em poses sensuais. Compõem o inquérito também, provas técnicas esclarecendo que no momento do crime, Edvaldo Soares estava na área onde Rebeca foi assassinada. “Muitas provas nos dão referência para o pedido de prisão preventiva. Em depoimento, vários colegas afirmaram que Edvaldo disse que Rebeca estava desaparecida antes do meio dia, quando, na realidade, ele só foi comunicado oficialmente do desaparecimento da vítima após às 14h pela mãe da estudante que só sentiu falta da filha por volta desse horário. Temos informações robustas que dão clara certeza para a Polícia Civil  da participação efetiva do Edvaldo Soares no crime”, finalizou o delegado.

Assessoria

rebeca534
Acusado, que era padrasto da garota, sofre de "compulsão sexual". Ele foi indiciado por estupro e homicídio qualificado
rebeca-5436_004
rebeca-5436_002

VEJA VÍDEO:

Compartilhe esta noticia:

Postar um comentário

 
Copyright © UIRAÚNA EM FOCO. Designed by Rafael Matias