'O Brasil não parou, nem vai parar', diz Dilma sobre economia.


O Brasil passa por um período de"transição econômica" e "dificuldades temporárias", mas não está paralisado. Esta é a avaliação feita pela presidente Dilma Rousseff em entrevista, neste domingo (24), ao jornal 'El Comercio', do Equador.
A presidente viaja amanhã para Quito, capital do país, onde participa de cúpula da Celac (Comunidade de Estados Latino-americanos e Caribenhos). Em entrevista por escrito, ela comentou temas como a situação política em países vizinhos, os Jogos Olímpicos no Rio e as investigações sobre corrupção na Petrobras.
"Confio que a economia brasileira vai superar estes desafios e emergir mais forte e mais competitiva. () O Brasil não parou nem vai parar", afirmou. Questionada sobre a manutenção de políticas sociais, Dilma disse que as ações estão mantidas.
"Não vamos retroceder em políticas exitosas de inclusão social e não vamos nos descuidar daqueles que mais necessitam. Mesmo em um contexto de ajuste, mantivemos os programas sociais e os principais investimentos", defendeu.
'MOMENTOS DIFÍCEIS' NA VENEZUELA
Questionada sobre mudanças no rumo político da região, a presidente afirmou ver com "naturalidade a alternância de poder". Ela ainda minimizou eventuais impactos nas relações do Brasil com países como a Argentina e Venezuela, diante da eleição de Maurício Macri e da vitória da oposição nas eleições legislativas, respectivamente.
"As relações do Brasil com seus vizinhos sul-americanos são, antes de tudo, relações entre Estados, fundamentadas em interesses compartilhados e projetos muito concretos de integração."
Dilma foi enfática ao ser questionada sobre a postura brasileira diante do cenário de crise política e econômica na Venezuela. "Ocorreu de tudo, menos silêncio por parte do Brasil em relação à Venezuela", argumentou a presidente, citando os "princípios básicos de não ingerência e autodeterminação dos povos".
Ela reconheceu, entretanto, que o país vizinho passa por "momentos difíceis" e que a expectativa do Brasil é que governo e oposição "mantenham e aperfeiçoem o diálogo e a boa convivência".
PETROBRAS
Dilma também foi questionada sobre as investigações da Operação Lava Jato, da Polícia Federal, que investiga desvios de verba na Petrobras. Ela ponderou que seu govenro é "implacável" com o combate à corrupção.
"A Polícia Federal sempre teve total autonomia para investigar as denúncias de corrupção, e a Justiça brasileira, respeitando a Constituição e a legislação nacional, tem atuado de maneira independente", disse. Dilma voltou a se posicionar contra o impeachment de seu mandato.
"Não é aceitável, numa sociedade democrática e participativa, tirar um presidente apenas por divergência política, sem nenhum respaldo jurídico."

F: Folha de São Paulo

Compartilhe esta noticia:

Postar um comentário

 
Copyright © UIRAÚNA EM FOCO. Designed by Rafael Matias