Gestor, esposa, empresária, funcionários e até defunta recebem Bolsa Família no Sertão

Perguntado sobre uma possível denúncia que seria ao Ministério Público, o secretário ironizou: “Já deveria ter ido”.

Duas prefeituras estão sendo denunciadas por supostas irregularidades no programa
Duas prefeituras do Sertão do Estado estão sendo denunciadas por supostas irregularidades no programa Bolsa Família. De acordo com informações chegadas a nossa reportagem, na cidade de Juru, região de Patos, servidores da prefeitura foram incluídos no programa assistencial as famílias vulneráveis socialmente.
Veja também:
De acordo com o denunciante, que preferiu não se identificar por temer represálias, até o gestor do programa, identificado por Anderson Marques de Oliveira recebia o benefício até o mês de julho deste ano, com valor mensal de R$ 79,00, como mostra o comprovante de pagamento.
Segundo o denunciante, a esposa do gestor do programa, Geisa Martins da Silva também estava vinculada até o mês de julho e recebia R$ 233,00 por mês.
A denúncia citou outros beneficiários do Bolsa Família que são servidores da prefeitura, mas continuariam recebendo ainda pelo programa. São elas: Aline Nunes do Amaral, Maria de Lourdes Gomes da Silva e Dalvanete Nunes da Silva.
Segundo informações do site do governo federal, Aline, Maria e Dalvanete receberam do Bolsa Família até o mês de agosto deste ano. No sistema do Bolsa Família não constou informações de qualquer tipo de bloqueio dos benefícios, o que possibilita que continuem a receber.
Documentos encaminhados dos pagamentos de Anderson e Geisa!
 
O outro lado
O gestor do Bolsa Família em Juru, Anderson Marques negou que recebia do programa, mas o sistema mostra que ele recebeu até o mês de julho deste ano. Anderson confirmou que a esposa recebe o benefício e justificou: “Ela está dentro dos critérios”. 
Quanto aos demais servidores citados, o gestor municipal confirmou que são servidores do município e recebem o benefício, pois, não são efetivos apenas contratados do poder público.
Mais
Já na região de Sousa, a cidade de Nazarezinho também foi alvo de denúncias. Num programa de Rádio, a doméstica identificada por Soraya fez denúncias graves.  A mulher ficou indignada porque não tem qualquer renda e teve o benefício cancelado.
Ela denunciou várias pessoas que não atendem o perfil do programa, mas estão recebendo indevidamente, entre elas, Damiana Ribeiro de Almeida Alvino, que seria dona do frigorífico é beneficiária do programa. 
Segundo a denunciante, a idosa Deusdelia Nunes Barreto, já falecida há mais de um ano continua cadastrada e com pagamentos liberados. Ela disse que teria que tem outra pessoa recebendo pela falecida. De acordo com Soraya existe ainda uma lista de 49 funcionários da prefeitura de Nazarezinho que recebem o Bolsa Família. A folha de pagamento do mês de agosto deste ano contemplou todos os citados por pelo programa federal.
O outro lado
O secretário Augusto Vieira informou que não chegou nenhuma denúncia ao Conselho Municipal para que se tome alguma providência. E perguntado sobre uma possível denúncia que seria feita por Soraya ao Ministério Público, o secretário ironizou: “Já deveria ter ido”.
Requisitos para fazer parte do Programa Bolsa Família
- Famílias com renda de até R$ 77,00 (setenta e sete reais) por pessoa;
- Famílias com renda de R$ 77,01 (setenta e sete reais e um centavo) a R$ 154,00 (cento e cinquenta e quatro reais) por pessoa, considerando, inclusive, os valores dos benefícios do Programa Bolsa Família e que possuam em sua composição crianças de 0 a 6 anos de idade.
- Famílias com renda de R$ 77,01 (setenta e sete reais e um centavo) a R$ 154,00 (cento e cinquenta e quatro reais) por pessoa, que possuam em sua composição gestantes, nutrizes, crianças de 0 a 12 anos e adolescentes até 15 anos.
- Famílias com renda de R$ 0.00 (zero) a R$ 154,00 (cento e cinquenta e quatro reais) por pessoa, que possuam em sua composição adolescentes de 16 e 17 anos.

Compartilhe esta noticia:

Postar um comentário

 
Copyright © UIRAÚNA EM FOCO. Designed by Rafael Matias