Irônico: Quadrilha utilizava fábrica de sabão para lavagem de dinheiro, em Cajazeiras (PB)...

Os presos durante uma operação de combate a fraudes na concessão de benefícios previdenciários, como aposentadorias e pensões, usavam uma fábrica em Cajazeiras, para "lavar" o dinheiro desviado. 

Essas informações e outros detalhes da Operação Fanes, deflagrada pela Polícia Federal nesta quarta-feira (9), foram dados em uma entrevista coletiva em Campina Grande.

De acordo com a polícia, os suspeitos se usavam de uma fábrica de sabão para camuflar a origem ilícita do dinheiro adquirido. 

“O que eles conseguiram ganhar fraudando o INSS, eles estavam investindo nessa fábrica de sabão. O lucro das vendas retornava licitamente para eles. A fábrica estava montada para inciar o trabalho em Cajazeiras e o depósito era em Campina Grande”, explicou o delegado Raony Aguiar, da delegacia de combate ao crime organizado.

A Operação Fanes aconteceu em sete cidades paraibanas e em Recife, Pernambuco, numa parceria entre PF, Ministério Público Federal e Ministério da Previdência Social.

Estima-se que o prejuízo aos cofres públicos já chegue a R$ 3 milhões desde outubro de 2014, podendo atingir o valor de R$ 100 milhões levando em conta a expectativa de vida dos beneficiários.

“Pessoas eram incumbidas de aliciar terceiros e esses terceiros, com documentos próprios ou falsos, procuravam um servidor do INSS. Então era concedido fraudulentamente o benefício. Concedido o benefício, a quadrilha fazia com que a pessoa que passou a ser titular do benefício irregularmente pedisse um ou dois empréstimos consignados e o valor desses empréstimos eram entregues à quadrilha como forma de recompensa pelo benefício previdenciário concedido”, explicou.

Um total de 17 mandados de prisão preventiva, 11 de prisão temporária e 30 de busca e apreensão foram expedidos e começaram a ser cumpridos no início da manhã desta quarta-feira por 140 policiais e 16 servidores da Previdência Social nas cidades de Campina Grande, João Pessoa, Cajazeiras, Patos, Puxinanã, Mogeiro, Caturité e Recife.

O termo "Fanes" significa criação na língua grega e foi atribuída à operação porque a quadrilha criava beneficiárias para acessarem aposentadorias e pensões. De acordo com as investigações da PF, documentações eram fraudadas para comprovarem exercício de atividade rural. Algumas vezes, segundo a Polícia Federal, os funcionários da Previdência Social autorizavam o benefício com base apenas na entrevista, sem apresentação de documentos.


G1PB

Compartilhe esta noticia:

Postar um comentário

 
Copyright © UIRAÚNA EM FOCO. Designed by Rafael Matias